iris

não encontrei o autor ☹
Querida Iris,

Estou tendo grande dificuldade para começar a escrever, já que de fato, ate agora, nunca conversamos de verdade. Não sabia nada sobre ti, até aquela festa no final do ano passado da tua turma, a qual descobri que nossas músicas combinavam. E eu adoro conhecer pessoas com gostos que combinem com os meus. Notei como era diferente das outras meninas da tua escola, era simpática e bastante querida. Nós, eu e Bruno, te acompanhamos no final da festa, ate a entrada do condomínio. Então eu soube que tu não morava na cidade, e pretendia ir para a mesma escola que eu. Fiquei animada em pensar que poderíamos estudar juntas. 

Não fomos colegas. E nunca conversamos desde que começou o projeto de desenhos da escola, no final do ano. Não sabia que tu desenhava. Nem que pintava, bonitas artes em tinta acrílica. Como se imagina um artista, limpa os pinceis nas costas da mão e escolhe cores com o coração.

Acredito que tu tenha muito mais segredos e habilidades secretas. Espero que ainda possamos um dia conversar bastante. Queria não ser tão tímida.

Com amor,
Gabriela

coisas que pretendo fazer nas férias de verão

fotografia de Ferran Tudela
Eu tenho muitas expectativas sobre mim mesma e as coisas. Sei que só preciso de mim para fazer o que quiser, mas é tão mais divertido fazer com amigos. E fico desanimada quando vou fazer algumas coisas sozinhas. As vezes, também, a vontade é tão grande que isso não é o suficiente. 

Sobre as férias, sempre tenho várias ideias. Nem que seja apenas uma semana de recesso escolar, ou um feriado que juntou com o fim de semana. Penso em quantas coisas que sempre quero fazer, ou já quis, finalmente poderei realizar. Infelizmente, nunca consigo fazer tudo, nem como realmente queria. Mas nessas férias vou tentar ao máximo aproveitar todos os dias. 

⭐ Gravar um curta-metragem 
⭐ Ler no minimo 3 livros
⭐ Tirar (muitas) fotografias mais expressivas
⭐ Colecionar LPs, e aprender a coloca-los na vitrola
⭐ Ir ao cinema
⭐ Assistir outro filme da Sofia Coppola
⭐ Desenhar bastante no sketchbook 
⭐ Pintar
⭐ Pixar
⭐ Caminhar de manhãzinha na praia
⭐ Viajar
⭐ Ir a uma cidade vizinha de ônibus
⭐ Fazer um piquenique
⭐ Fazer uma zine e colocar nos livros da biblioteca
Aprender algumas palavras em Nadsat
⭐ Ficar na rua ate tarde
⭐ Juntar dinheiro
⭐ Criar uma história em quadrinhos
⭐ Ir a um museu ou na Casa de Cultura
⭐ Escrever cartas, histórias e poemas
⭐ Fazer colagens
⭐ Filmar
⭐ Fazer aquela tinta com flores
⭐ Comprar uma câmera analógica e aprender a usar
⭐ Carregar um caderno de anotações por ai
⭐ Aprender a fazer uma omelete
⭐ Ir em vários sebos
⭐ Achar coisas perdidas
⭐ Prestar mais atenção ao meu redor
⭐ Fazer uma trilha
⭐ Mandar uma carta

minhas histórias em quadrinhos

Não consigo ficar uma aula inteira sem rabiscar uma folha de ofício, uma lista de exercícios, um lembrete colorido, ou o caderno de filosofia (que na verdade é de desenhos, porque nunca tem que escrever nada). Gosto de desenhar as coisas que quero explicar, de me distrair quando não entendo nada, de riscar as mãos com caneta esferográfica, de anotar o que acho engraçado, e inventar histórias sem sentido sobre o que acontece.   
Sempre gostei da ideia de histórias em quadrinhos. O problema é que nunca tenho a história quando da vontade de desenhar. Penso no que vai acontecer enquanto desenho, por isso muitas vezes fica sem sentido nenhum. 

Essa foi a primeira história que pensei mais antes de desenhar, e também a unica em que praticamente terminei. Fiz no inicio de 2015, nas férias. Eu me sentia bastante sozinha, e havia visto The Craft a uns meses antes. Ainda quero desenvolver mais a história. Sempre que possivel penso o que aconteceria antes desse episodio. As personagens da primeira imagem são como eu faria elas hoje em dia. 
Em alguma aula chata do ano passado. Não pensei no que aconteceria, decidia na hora que começava o próximo quadro. Ela não morre no final, apenas cai. Um tempo depois que fiz esse quadrinho, eu e minhas amigas decidimos adaptar para um curta-metragem. Ficou bem ruim, mas foi divertido fazer ate. 
No inicio desse ano, tinha um trabalho o qual tínhamos que fazer um texto. Mas texto era tudo, e não apenas palavras. A maioria de meus colegas fizeram charges criticando algo, ou bonitos textos com histórias dramáticas. Eu passei as três semanas pensando em como seria minha história em quadrinhos. De inicio queria que se passasse numa floresta, e que fosse meio assustadora. Quando já havia feito dois quadros, tudo fez sentido para mim.
A ultima que fiz, foi essa semana ainda que terminei e é para a oficina de desenho que participo na escola. Vamos fazer a oficina com crianças durante a feira do livro da cidade, e acho que será bem divertido. O objetivo dela é fazer algum tipo de desenho, sobre histórias que outros alunos escreveram. A minha é do texto Quem é você? de uma menina chamada Maria.